Um Voo Cego A Nada...

" Ter-se nascido ou vivido em Moçambique é uma doenca incurável, uma virose latente. Mesmo para os que se sentem genuínamente portugueses mascara-se a doenca, ignora-se, ou recalca-se e acreditamo-nos curados e imunizados. A mínima exposição a determinadas circunstâncias desencadeia, porém, inevitáveis recorrências e acabamos por arder na altíssima febre de uma recidiva sem regresso nem apelo". Rui Knopfli

sábado, 9 de dezembro de 2006

Ainda em estantes quase nada alheias



O que dói não é um álamo
Não é a neve nem a raiz
da alegria apodrecendo nas colinas.
O que dói

não é sequer o brilho de um pulso
ter cessado,
e a música, que trazia
às vezes um suspiro, outras um berço.

O que dói é saber.
O que dói
é a pátria, que nos divide e mata
antes de se morrer

Eugénio de Andrade, "A Casais Monteiro, Podendo Servir de Epitáfio", Setembro 1972, Epitáfios, Lisboa, Limiar, 1984

1 Comments:

Anonymous Anónimo said...

O que dói é ter regressado, como folhas em torvelinho,deste FORTE
situado em parte alguma do oriente.
Sem saber muito bem porquê.
Mas suaviza a dor, ter trazido como arma,a força para seguir um caminho.
Bj
MD

sexta-feira, 15 de dezembro de 2006 às 22:52:00 WET  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home