Um Voo Cego A Nada...

" Ter-se nascido ou vivido em Moçambique é uma doenca incurável, uma virose latente. Mesmo para os que se sentem genuínamente portugueses mascara-se a doenca, ignora-se, ou recalca-se e acreditamo-nos curados e imunizados. A mínima exposição a determinadas circunstâncias desencadeia, porém, inevitáveis recorrências e acabamos por arder na altíssima febre de uma recidiva sem regresso nem apelo". Rui Knopfli

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Quando as fachadas tumulares, de pardas


Foto Digital no Indíco

Quando as fachadas tumulares, de pardas,

defendem sonolências impassíveis,

sou livre para as boémias intangíveis

e a noite intui-me cúmplices mansardas.


Franzino e ruivo o céu todo tem sardas

e atraente nudez de impossíveis.

Eu sou talvez pintor de nus horríveis

zombo dos mestres e odeio as fardas


Mas, mal estéril assoma o brilho frio
- que sempre a madrugada me frustrou

o contacto eminente ao fugidio -


Tenho medo de quem nocturno sou

da minha afinidade a um desvario

que outro mais casto, em mim, repudiou.


Reinaldo Ferreira, in "Poemas", Livro I - Um voo cego a nada

Etiquetas: , ,

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home